Enem digital: o que é e como vai funcionar?

Quando o Ministério da Educação anunciou a versão digital do Enem, em 2019, as reações foram as mais variadas e muitas pessoas esboçaram dúvidas sobre o assunto. 

De acordo com o próprio MEC, não há motivos para preocupação, já que a aplicação de 2020 é uma espécie de projeto-piloto e contará com um número limitado de alunos inscritos. 

Na época do anúncio, foram mencionadas 50 mil inscrições disponibilizadas, mas esse número, como veremos a seguir, aumentou. 

A ideia de tornar o Enem totalmente digital já tem algum tempo – o modelo tem sido considerado desde 2015 –, mas isso deve acontecer somente a partir de 2026. 

O MEC explicou, no ano passado, que as provas digitais possibilitarão o uso de vídeos, infográficos e outros recursos que não seriam possíveis no papel. Por enquanto, fazer a prova digital é uma escolha. 

Contudo, se o aluno optar por essa alternativa, não poderá fazer a versão impressa no mesmo ano. 

Apenas quem já concluiu o Ensino Médio poderá optar pela forma digital, os treineiros terão de esperar mais um pouco. 

O Enem Digital este ano

Enquanto a versão tradicional ocorre em 17 e 24 de janeiro, o Enem digital será aplicado em 31 de janeiro e 7 de fevereiro

Como as datas serão distintas com relação aos dias de aplicação da prova impressa, apenas a estrutura das provas será a mesma, as questões e a proposta de redação, obviamente, serão outras. 

O formato seguirá, como de costume, a estrutura de 180 questões, além da redação:

  1. No primeiro dia, as provas envolverão 45 questões de Linguagens e Códigos, mais 45 de Ciências Humanas e a redação. 
  2. No segundo dia, serão 45 perguntas de Ciências da Natureza, mais 45 questões de Matemática. Por enquanto, o que se sabe é que a redação continuará sendo realizada em papel. 

As inscrições ocorreram em maio de 2020 e, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o interesse pela versão digital se deu entre participantes mais velhos: 36,3% dos inscritos têm entre 21 e 30 anos, enquanto 19%, entre 31 e 59 anos. 

A intenção do MEC é aumentar gradativamente o número de inscrições para essa nova opção até chegar à completude esperada. 

Discussões sobre o Enem Digital

Há muitos debates envolvendo esse novo formato de prova. Alguns professores afirmam que os alunos não terão possibilidade de anotar cálculos na área das questões, por exemplo. Outros ainda se preocupam com o desafio que representa um teste virtual. 

Sabemos bem que o processo de leitura em tela é diferente daquele realizado no papel, há muito tempo isso é discutido, não apenas depois da notícia desse modelo de Enem. 

Telas podem, muitas vezes, fazer com que certas informações passem despercebidas, além de provocar um cansaço na visão, o que pode prejudicar a concentração. Por outro lado, temos a questão da economia e uma diminuição considerável do consumo de papel, o que pode ser benéfico, inclusive, em termos ambientais. 

Como vemos, há muita discussão sobre o assunto. 

As expectativas

A expectativa do MEC é de que, no futuro, as provas virtuais possam ser aplicadas ao longo do ano. Além disso, a intenção é levar mais interatividade à prova, os candidatos terão acesso a recursos multimídia, como os já mencionados vídeos, mas também games, algo bastante popular entre os jovens. 

O governo afirma, ainda, que, além de reduzir os custos, deseja colocar em prática os chamados itinerários formativos, que são as cinco áreas específicas do conhecimento em que o aluno poderá escolher se aprofundar. 

Existe a possibilidade de o exame ser voltado para essas áreas também a partir da escolha do candidato. 

Depois da Reforma do Ensino Médio, ficou estabelecido que as escolas devem se adaptar à nova realidade, adotando os itinerários a partir de 2021. 

Os alunos que ingressam nesta última etapa da educação básica deverão passar por tal adaptação. A ideia é que, futuramente, ao se inscrever no Enem, eles possam escolher a área desejada no Ensino Superior, para que sua prova seja voltada a essas “afinidades”.

A logística das provas deverá ser de responsabilidade da Fundação Cesgranrio, mas ainda não há nenhuma confirmação ou informação mais detalhada a respeito. 

O fato é que, com todo o adiamento provocado pela pandemia, muitos inscritos estão apreensivos com a organização das provas. Além dessa preocupação, existe o temor acerca da segurança do sistema tecnológico a ser usado, que o Inep afirma estar garantida. 

Se a sua preocupação, nesta reta final, tem relação com o modo como se preparar para as provas, saiba que nada precisa mudar nesse sentido. Cronograma de estudos, revisões gerais, leituras frequentes, tudo que possa auxiliar na assimilação do conteúdo é bem-vindo e continua sendo eficaz. É importante ter confiança e tranquilidade, mas não pense que estar familiarizado ou familiarizada com os recursos tecnológicos, como computadores e celulares, vai tornar as provas mais fáceis, é preciso prestar atenção a particularidades do sistema aplicado, fazer a leitura dos enunciados com atenção redobrada e ter muito cuidado com aquelas informações que, como mencionamos anteriormente, podem passar despercebidas pelo fato de se estar diante de uma tela. 

Por enquanto, a opção pela versão tradicional da prova é maior, mas sabemos que será necessária uma adaptação por parte daqueles alunos que ainda não possuem intimidade com recursos on-line, muito menos com o computador. 

Isso representa um desafio para a Educação do país, visto que, para implantar esse sistema até 2026, as escolas terão a missão de preparar os estudantes para que dominem esse tipo de tecnologia nos próximos anos, o que sabemos ser bastante complicado diante da realidade de muitas escolas. 

Ainda não sabemos exatamente quais serão os efeitos do Enem digital, mas temos certeza de que se trata de uma tendência crescente à qual teremos de nos adaptar. 

  • O que você pensa a respeito? 
  • Sente-se pronto ou pronta para encarar esse desafio? 
  • Acredita que a eficácia das provas impressas é inviolável ou prefere esperar o futuro para analisar a melhor opção?  
Sobre o autor
Ole Educação

Ole Educação

A Olé é uma plataforma de tecnologia educacional que desenvolve projetos, baseados em comunicação, pesquisa, análise de dados e inteligência artificial. Somos formados pela a maior comunidade de edutubers (professores youtubers) do Brasil, com professores de renome que juntos contam com mais de 7 milhões de seguidores em suas plataformas digitais.

Posts Relacionados

Mostrar botões
Esconder botões